Busca rápidaX

MANCHETES

Agricultor de Ajuricaba controla a quantidade de chuva há 40 anos de forma ininterrupta

12 de maio de 2020

Seu Edelmar Fridrich- 74 anos, agricultor residente em Monte Alvão – Ajuricaba, tem um hábito bastante importante e de dar inveja a muitos institutos pluviométricos. Desde maio de 1980 vem marcando as precipitações de chuvas. Hoje é um tanto normal e praticamente cada propriedade tem, mas no início de seus registros poucas pessoas conheciam e a quantificação era dada pelo tanto de água que correu na estrada. “Se correu água de arrastar pedras pelas estradas, a chuva era boa”, assim muitas vezes era avaliada. “Lembro em rodas de conversas, na igreja ou nas cooperativas que comentávamos sobre os índices, pois o Bertoldo Gross também tinha o pluviômetro, e muitos nos questionavam de como era medido. Muitos imaginavam um quadrado no chão. Hoje é bastante comum e as empresas doam. Eu possuo um no formato redondo, o mais indicado e usado por institutos”, explica seu Fridrich.

Contudo o produtor faz um relato intrigante que pode servir de alerta e até mesmo para pesquisa. Os percentuais de chuvas vem reduzindo a cada década. “Na última década tivemos cerca de 2 mil milímetros à menos num comparativo a década de 80”, compara.

Outro destaque detectado pelo produtor é em relação aos período de estiagem, que é cíclico. “A cada 7 ou no máximo 10 anos ocorre uma estiagem e frustração de safra”, lembra ele, destacando que para minimizar esse efeito suas lavouras tem um cuidado diferente, principalmente com coberturas e plantas sulcadoras.

Os gráficos em anexo mostram os percentuais, de anos e períodos de chuvas, dados que usa para planejar as cultivares, junto com o filho Marcos. Outros dois filhos, Rubens e Luis estão com lavoura no Piauí.

Os dados foram registrados na Defesa Civil e serão usados para fins de decretos e comparativos por períodos.

Confira as relações e comparações.

Anos mais chuvosos (ordem decrescente):

1983 – 3.200 mm

2002 – 2.996 mm

1994 – 2.846 mm

1990 – 2.814 mm

2003 – 2.641 mm

2015– 2.633 mm

1997– 2.585 mm

1987– 2.486 mm

2017– 2.474 mm

1998– 2.433 mm

2009– 2.420 mm

1986– 2.412 mm

2000– 2.331 mm

1992– 2.317 mm

1993– 2.290 mm

1982– 2.253 mm

1982– 2.846 mm

2014– 2.217 mm

2007– 2.207 mm

1985– 2.203 mm

2005– 2.168 mm

1996– 2.135 mm

1999– 2.028 mm

1989– 1.977 mm

2010– 1.946 mm

2008– 1.942 mm

2011– 1.914 mm

2018– 1.866 mm

2001– 1.863 mm

2004– 1.786 mm

2006– 1.721 mm

2016– 1.650 mm

2012– 1.640 mm

1980– 1.559 mm

2019– 1.547 mm

1981– 1.504 mm

2013– 1.495 mm

1988– 1.413 mm

1995– 1.412 mm

1991– 1.402 mm

Inverno mais chuvoso (Junho, Julho, Agosto, Setembro)

1º = 2009 – 1.008 mm

2º = 1983 – 1.003 mm

3º = 1984 – 959 mm

4º = 2002 – 955 mm

5º = 1982 – 948 mm

Verão mais chuvoso (Dezembro, Janeiro, Fevereiro, Março)

1º = 2003 – 1.116 mm

2º = 2016 – 1.087 mm

3º = 1984 – 999 mm

4º = 1998 – 937 mm

5º = 2011 – 920 mm

Verão mais seco (Dezembro, Janeiro, Fevereiro, Março)

1º = 2012 – 227 mm

2º = 2020 – 287 mm

3º = 1991 – 347 mm

4º = 2005 – 354 mm

5º = 1988 – 401 mm

Alerta déficit hídrico:

Comparando a década de 1980 à 1989 com a década de 2010 à 2019 tivemos um déficit hídrico de 2.287 mm. Isso mesmo tendo média alta de chuva nos meses de maio, outubro e setembro, na última década.

Década de 1980 à 1989 choveu = 7.695 mm.

Década de 2010 à 2019 choveu = 5.408 mm

Alguns dados interessantes sobre as chuvas desde 1980

Meses que choveu menos

1º Fevereiro 2005 = 5 mm

2º Fevereiro 1991 = 8 mm

3º Maio 2012 = 9 mm

4º Agosto 1991 = 11 mm

4º Abril 2009 = 11 mm

5º Março 1997 = 12 mm

Meses que choveu mais

1º Maio 1983 = 690 mm

2º Outubro 1997 = 613 mm

3º Dezembro 2016 = 604 mm

4º Novembro 2009 = 589 mm

5º Dezembro 2003 = 574 mm

Anos que menos choveu

1º 1991 = 1.402 mm

2º 1995 = 1.412 mm

3º 1988 = 1.413 mm

4º 2013 = 1.495 mm

5º 1981 = 1.504 mm

6º 2019 = 1.547 mm

Anos que choveu mais

1º 1983 = 3.200 mm

2º 2002 = 2.996 mm

3º 1984 = 2.846 mm

4º 1990 = 2.814 mm

5º 2003 = 2.641 mm

Inverno mais secos (Junho, Julho, Agosto, Setembro)

1º 2019 = 253 mm

2º 2016 = 316 mm

3º 1995 = 448 mm

4º 1917 = 453 mm

4º 1918 = 453 mm

5º 2001 = 483 mm

Comparativos

Chuvas no inverno dos anos de 1980 à 1989 = 7.695 mm. Chuvas no inverno dos anos de 1990 à 1999 = 6.694, ou seja, 1001 mm à menos.

Chuvas no inverno dos anos de 2000 à 2009 = 6.500. 1195 mm à menos que a década de 1980 e 194 mm em relação a década de 1990.

Chuvas no inverno dos anos de 2010 à 2019 5.408 mm ou seja, 2.287 mm à menos da década dps anos 80. 1.286 mm à menos da década de 1.990 e 108 mm à menos da década de 200 à 2009, somando 1.980 até 1999. De 2000 até 2019 da uma diferença de 2.481 mm.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Josemar Alves Martins/Prefeitura de Ajuricaba.
error: Conteúdo protegido!