Busca rápidaX

MANCHETES

Alessandro Telles sobre o título do interior: “Aquele time tinha uma consciência tática muito boa”

17 de abril de 2020

A temporada 2013 foi de sucesso para o São Luiz, mas por incrível que pareça, a equipe teve 3 comissões técnicas no Gauchão daquele ano. Tonho Gil começou como o treinador e após a derrota para o Lajeadense acabou demitido. O departamento de futebol anunciou Paulo Porto como técnico, Alessandro Telles como auxiliar e Jurandir Godzicki como preparador físico. Na série do título do interior, hoje é a vez que conferirmos o depoimento do auxiliar técnico da campanha, Alessandro Telles.

“Quando o Paulo(Porto) me contactou e a gente ficou sabendo que iria pro São Luiz, nós já conhecíamos o grupo. A equipe tinha começado o campeonato mal, empatando com o Cruzeiro e tinha perdido para o Lajeadense. Daí teve aquela tragédia na Boate Kiss, o jogo da terceira rodada foi adiado, foi onde nós tivemos um tempo a mais pra gente trabalhar. Só que enfrentaríamos o Grêmio dentro de casa. Eu acho que ali foi a maior dificuldade. Assistimos os 2 primeiros jogos e tínhamos que ajustar algumas coisas. Manter a equipe, acertar alguns alguns posicionamentos e fazer com que aquela equipe se tornasse forte. Nós vimos algumas defeitos defensivos e isso foi corrigido. No jogo contra o Grêmio, a nossa bola aérea funcionou porque nós tínhamos uma equipe forte nesse quesito. Depois o time engrenou, ficou forte, mas era um time que era bem equilibrado. Foi muito bem montado. Tínhamos um grande goleiro, as nossas laterais estavam muito bem. Nós tínhamos o o Barbosa que apoiava muito. Já o Macaé era mais de força na marcação e o nosso meio forte, com o Baiano e o Chicão. E assim damos mais de liberdade pro Paraná e com a a presença do Adão como um quarto homem vindo por dentro. Então a gente tinha uma mecânica de fazer a linha e deixar o Paraná um pouco mais solto, juntamente com o Eraldo e o Juba. Conseguimos um equilíbrio defensivo e ofensivo. Um outro jogo que que nos testou foi a semifinal. O Caxias jogou muito, mas nós estavámos bem postado, o time era experiente, aquele time tinha uma consciência tática muito boa e a defesa do Oliveira na finaleira do jogo nos garantiu na final do primeiro turno. Não é fácil pegar um trabalho em andamento, ainda mais com os estaduais que tem um curto tempo. Eu acho que nós somos muito felizes nos ajustes, e principalmente, na na retomada da confiança do grupo”.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •