Busca rápidaX

MANCHETES

Argentina negocia com China acordo para usina nuclear e vendas de farelo de soja

25 de junho de 2019

A Argentina indicou nesta terça-feira seu interesse em avançar em iniciativas com a China, que incluem a construção da quarta usina nuclear do país e a exportação de soja processada localmente para o país asiático, declarou o governo após reuniões bilaterais em Pequim.

Se concluída, a unidade nuclear, com valor divulgado de até 8 bilhões de dólares, seria um dos maiores projetos financiados na Argentina pela China, que se tornou um importante parceiro comercial da nação sul-americana e seu maior financiador não institucional.

O chefe de gabinete da Argentina, Marcos Peña (foto), afirmou que “há uma intenção de avançar” com a construção da usina, em um comunicado governamental publicado após seu encontro com o vice-primeiro-ministro chinês, Hu Chunhua.

Peña irá da China direto para a cúpula do G20 no Japão.

O projeto nuclear argentino, acertado sob a administração da ex-presidente Cristina Kirchner, estagnou no governo de Mauricio Macri, ainda que autoridades governamentais tenham sinalizado intenções de chegar a um acordo com os chineses no ano passado.

Peña também destacou discussões bilaterais visando a permissão das exportações argentinas de derivados de soja, como farelo de soja para ração, para a China. Na segunda-feira, a Argentina embarcou seu primeiro carregamento de carne bovina refrigerada para Xangai.

“Você nota um dinamismo muito forte e uma ampla abertura em termos de acesso aos mercados”, disse Peña.

A Argentina, que já vende grãos de soja à China para que sejam processados no país asiático, vem trabalhando com força no lobby para obter a permissão para vender farelo de soja para alimentar diretamente o maior rebanho de suínos do mundo.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Reuters

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido !!!