Busca rápidaX

Baixa procura pela vacinação preocupa em Ijuí; fake news é um dos motivos

19 de junho de 2021

A procura pela vacinação contra a Covid-19 tem sido abaixo do esperado em Ijuí. No dia de hoje (19), pessoas de 50 a 54 poderiam buscar a vacina nos postos de saúde do município, porém o movimento foi baixo. Fazem parte deste grupo, cerca de 5.000 pessoas, conforme o último censo realizado.

Um dos motivos, conforme a Secretaria Municipal de Saúde, seria a chuva que caiu ao longo de parte da manhã.

O outro motivo, é de que muitos estão escolhendo a marca do imunizante. Devido a um vídeo falso que circulou pela internet nos últimos dias, mostrando uma moeda ficando presa no local do braço em que foi feito a vacina, muitos acreditam que após receber a vacina da Oxford AstraZeneca, o local ficaria magnetizado. O que não é verdade. Segundo professores de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que responderam ao boato que circula online, o efeito de adesão, propiciado por forças intermoleculares, é o responsável pelo truque. O princípio científico define a tendência que superfícies e partículas formadas por moléculas diferentes têm de “grudar” uma na outra. Basta um pouco de umidade para que uma moeda, ímã ou qualquer objeto pequeno e leve fique grudado no braço

Vacinas contra a Covid não produzem magnetismo nem contêm ímãs, de acordo com fabricantes e especialistas no desenvolvimento de vacinas.

Doutor em biotecnologia de desenvolvimento de vacinas, Lázaro Moreira Marques Neto afirma que nenhuma vacina atualmente usa nanopartículas metálicas. “Nenhuma vacina tem imã na sua composição. Vacinas usam apenas os componentes necessários para gerar a resposta imune desejada, além de componentes para estabilizar e manter a qualidade da vacina”, diz. “Um ímã é um objeto feito de material capaz de gerar um campo magnético. Utilizar ímãs em uma vacina não é necessário para nenhum dos dois objetivos, nem gerar resposta imune nem estabilizar e manter a vacina.”

Outros alegam receio de ter efeitos colaterais da vacina Oxford AstraZeneca. Esses efeitos, conforme a fundação Oswaldo Cruz, atingem em média 20% dos vacinados. Eles tem duração máxima de dois dias na maioria dos casos, e podem trazer dores pelo corpo, fadiga e leve febre, e estão relacionados principalmente a primeira dose. Conforme o site da Fiocruz, produtora do imunizante no país, é recomendado o uso de analgésicos e antitérmicos comuns em caso de alguma reação.

A Oxford AstraZeneca possui eficácia entre 62 e 92%, sendo muito efetiva contra as novas variantes e tem o seu uso aprovado na Europa, Estados Unidos, Austrália, dentre outros países.

De acordo com  o Secretário de saúde Marcio Strassburger, segunda e terça-feira da semana que vem, pessoas da mesma faixa etária podem procurar as doses. O calendário vacinal da próxima semana ainda deve ser divulgado pela SMS. 

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Rádio Progresso de Ijuí
error: Conteúdo protegido!