Busca rápidaX

Com prejuízo acima de R$ 34 milhões, Sede Nova decreta emergência em razão da estiagem

16 de janeiro de 2022

=== A prefeitura de Sede Nova decretou situação de emergência em decorrência da estiagem. O decreto municipal Nº 001/2022 foi assinado na última segunda-feira (10) pelo prefeito em exercício Jandir Kunzler. O documento tem validade de 180 dias. O Município aguarda a homologação do Estado e reconhecimento por parte da União para ficar habilitado a receber recursos e os agricultores renegociarem dívidas junto aos bancos.

Para a decretação de emergência foram considerados, dentre outros aspectos, o comprometimento das reservas hidrológicas e consequente dano humano no abastecimento de água potável, além de prejuízos econômicos com impacto na produtividade agropecuária.

Caminhão-pipa fornece água para consumo humano e de animais

Relatório emitido pela Secretaria Municipal de Habitação, Trabalho e Assistência Social aponta que a estiagem resultou no secamento, esvaziamento ou redução drástica nos níveis de todos os poços artesianos que abastecem a população. Com isso, segundo o relatório, um severo racionamento de água potável está sendo realizado, inclusive com falta d’água para consumo humano.

Nas últimas semanas, a Secretaria Municipal de Obras aumentou o fornecimento de água com caminhão-pipa às propriedades, tanto para consumo humano como de animais. Os moradores que necessitem de água devem entrar em contato pelo telefone: (55) 99688-7674.

Relatório elaborado pelo escritório local da Emater estima um prejuízo de aproximadamente R$ 34,7 milhões nas culturas agropecuárias. Na produção de milho silagem, até o momento, as perdas chegam a 51%, sem levar em consideração as perdas de qualidade e consequente quebra na produção de leite. Levando em consideração uma área de 950 hectares cultivados, projeta-se uma redução na produtividade de 45 mil para 22 mil quilos por hectare.

No milho grão, as perdas chegam a 76%, podendo ainda serem agravadas caso não sejam registrados volumes maiores de chuva. Em uma área de 750 hectares, projeta-se uma redução de 10 mil para 2.400 quilos por hectare de produtividade.

Na soja, desde a emergência das plantas já se estimam perdas em torno de 30% devido à desuniformidade de germinação que atingiu o stand de plantas e o desenvolvimento vegetativo e reprodutivo. Na área de 6 mil hectares cultivada no município, projeta-se uma redução de produtividade de 3.300 para 2.310 quilos por hectare.

Na produção de leite in natura, até o momento, são estimadas perdas de 20% nos últimos 60 dias. Conforme o relatório da Emater, as perdas se devem à diminuição da produção de forragem das pastagens, silagem de baixa qualidade resultante da última safra de 2020/2021 e o aumento da temperatura ambiente que causa desconforto animal e diminuição da produção. Com um total de 120 produtores, projeta-se uma quebra de 640 mil litros de leite.

Devido à estiagem, a Secretaria Municipal de Obras também está com dificuldade para efetuar melhorias nas estradas. É necessário molhar as vias para assentar melhor o cascalho. Solicita-se também aos agricultores que possuem caminhões-tanque ou bombas de esterco que os mantenham abastecidos de água. No caso de surgirem focos de incêndio, esses veículos serão solicitados para auxiliar no combate às chamas.

Fonte: Radio Progresso de Ijuí e Rádio Alto Uruguai
error: Conteúdo protegido!