Busca rápidaX

MANCHETES

Cor escura e cheiro forte preocupa moradores de Canasvieiras, em Florianópolis

23 de janeiro de 2018
A cor escura e o cheiro forte do Rio do Brás preocupam moradores de Canasvieiras, em Florianópolis. Apreensivos com a situação e com medo de que fossem alagadas ruas do entorno, eles tiraram uma barreira de areia que impedia a água de desaguar no mar.

Os moradores tomaram a decisão na quinta-feira (18). O engenheiro da Companhia Águas de Santa Catarina (Casan), Alexandre Trevisan, disse que as características apresentadas pela água nada têm a ver com esgoto.

“Como aqui a gente tem uma ocupação urbana bastante grande, é natural que se encontre um pouco dos resquícios dessa ocupação no rio. Passando por aqui, a gente viu um pouco de lixo. Uma outra coisa que traz é um histórico natural do rio, é um rio parado, é um rio de mangue, ele tem uma coloração mais escura”, detalhou Trevisan.

Agora que as águas estão se encontrando, o engenheiro explicou que em mais ou menos 48 horas, a tendência é de que a água do mar dissolva a água do rio e fique com uma qualidade boa. Mas, apenas a próxima coleta de água da Fatma (Fundação do Meio Ambiente) dirá se a água voltou a ser adequada para banho.

No verão de 2016, o esgoto do rio que chegou ao mar deixou a praia imprópria para banho. Em novembro do mesmo ano, um trabalho de limpeza das margens do rio do Brás chegou a ser feito em conjunto pela Casan, Comcap e pela Floram. A Casan foi condenada em 2017 pela Justiça Federal a despoluir e a recuperar a foz do Rio do Brás e as águas da praia de Canavieiras.

Presença de coliformes
Embora no sábado (20) a água tenha voltado a ficar escura, na manhã desta segunda-feira (22) o engenheiro fez uma coleta de amostra e verificou que estava amarelada e sem cheiro forte. Apesar de ter coliformes fecais para ser considerada poluída, a quantidade não é suficiente para chegar ao nível de um rio poluído pelo esgoto.

“Esses rios urbanos apresentam alguns índices de coliformes que são um pouco mais elevados do que o índice recomendado para banho, por exemplo. Agora, não teria maiores problemas em passar pelo rio”, afirmou.

O superintendente de Saneamento da prefeitura, Lucas Arruda, disse que os moradores não deveriam ter aberto o banco de areia. “Sobre abrir o rio com pás, nenhuma pessoa tem autorização para intervir de forma autônoma, sem embasamento técnico, sem decisão gerencial, porque simplesmente as pessoas não podem alterar os cursos do rio por conta própria”, declarou.

Imprópria para banho
O banho no mar naquela área não está liberado, pois o ponto é considerado impróprio para banho pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma).

Os moradores temiam que os problemas de saúde dos turistas em 2016 tivessem relação com a água, o que a Casan nega. Mesmo assim, a Companhia instalou uma unidade de tratamento no local, que capta a água do rio, trata e depois joga no mar. No entanto, a estrutura não foi projetada para um período de chuva intensa, por isso, o rio subiu tanto.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
error: Conteúdo protegido!