Busca rápidaX

MANCHETES

Denúncias de deriva de agrotóxicos hormonais reduzem 66% no RS

16 de novembro de 2021

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) recebeu, de agosto a outubro, 15 ocorrências de deriva de agrotóxicos hormonais, por meio dos seus canais de denúncias. Os registros foram feitos em 12 municípios gaúchos. O período é o mais usado pelos produtores rurais para aplicações dos herbicidas, se estendendo até dezembro, em função da implantação da safra de verão no Estado. De acordo com o Departamento de Defesa Vegetal da secretaria, observou-se uma redução de 66% no número de ocorrências comparativamente ao mesmo período do ciclo passado, quando 25 municípios registraram 44 casos de deriva.

“Embora os resultados, em números brutos de denúncias sejam iniciais, a Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários (DISA) está confiante de que nesta safra teremos redução nos casos de derivas e contaminações”, afirma o chefe da DISA, fiscal estadual agropecuário Rafael Friedrich de Lima. “Muito vem sendo feito através de treinamentos e fiscalizações, orientações aos produtores rurais, responsáveis técnicos e comerciantes. Aliado ao poder público, as entidades ligadas ao setor também vêm desempenhando importante papel na divulgação das normas, cursos e conscientização nos cuidados na aplicação dos agrotóxicos hormonais”, acrescenta Lima.

Fiscais da Secretaria da Agricultura têm atendido as ocorrências e efetuado as coletas nas propriedades atingidas pela deriva. As amostras, que têm sido congeladas, são submetidas à análise de resíduos de agrotóxicos por laboratório especializado. No momento, o processamento das análises está aguardando recurso para efetivação, oriundo de inquérito civil do Ministério Público Estadual. “O recurso destinado para as análises é extraordinário, mas a SEAPDR já efetivou a dotação de orçamento próprio para as próximas safras”, informa o diretor do Departamento de Defesa Vegetal, fiscal estadual agropecuário Ricardo Augusto Felicetti. Ele explica que, por estarem congeladas, as amostras não têm perdas do princípio ativo e, portanto, os resultados serão confiáveis assim que as análises puderem ser efetuadas.

A situação demonstra que as aplicações estão sendo realizadas com mais cuidado. “O cadastro de cultivos sensíveis, o pronto atendimento de denúncias, a exigência de curso específico para aplicação e as ações orientativas da SEAPDR e entidades estão apresentando resultado positivo nesta safra. Há muito por fazer ainda, mas estamos confiantes nas ações”, ressalta Felicetti.

Na safra atual, os municípios que registraram ocorrências de deriva até outubro foram Dom Pedrito, Erechim, Itaqui, Jaguari, Maçambará, Piratini, Santa Maria, Sant’Ana do Livramento, São João do Polêsine, São Sepé, Sobradinho e Vacaria. As amostras foram colhidas em cultivos de maça, hortaliças, uva, noz-pecã, tabaco e oliveiras.

Canais de denúncia
A Secretaria da Agricultura mantém canais de denúncia exclusivos para a ocorrência de deriva do 2,4-D e outros agrotóxicos hormonais em culturas sensíveis como macieira, videira, oliveira, nogueira-pecã, erva-mate, tomate, tabaco e hortaliças.

O produtor rural que presenciar as irregularidades poderá formalizar a denúncia pelo e-mail denunciahormonais@agricultura.rs.gov.br ou pelo WhatsApp (51) 9 8412-9961.

As denúncias deverão conter as seguintes informações:
– Localização da aplicação (município, distrito, localidade, pontos de referência);
– Data da aplicação/data da detecção dos sintomas de fitotoxidade;
– Horário da aplicação;
– Nome do proprietário/propriedade que está aplicando;
– Cultura afetada;
– Nome do proprietário da propriedade afetada.

Sempre que for possível, encaminhar fotos e vídeos junto às informações da denúncia.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Radio Progresso de Ijuí e governo RS
error: Conteúdo protegido!