Busca rápidaX

MANCHETES

Desafios da pesquisa no Brasil é tema de Seminário na Unijuí

2 de novembro de 2019
Foto: Laís Dahmer / Unijuí

Durante a programação do Seminário Temático do Programa de Pós-Graduação em Atenção Integral à Saúde, o Centro de Eventos da Unijuí foi sede da palestra “Desafios de Ser um Pesquisador no Brasil”, com o médico coordenador do Centro de Alta Complexidade em Oncologia Clínica (CACON), do Hospital de Caridade de Ijuí, Fábio André Franke. Presidente da Aliança Pesquisa Clínica Brasil e Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Franke trouxe para a Universidade a importância do debate sobre os desafios da pesquisa no Brasil.

Fábio falou sobre a realidade brasileira, em que 94% dos atendimentos ocorrem por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, destacou a relação entre a produção de medicamentos de iniciativa privada e universidades, observando que parcerias e investimentos em tecnologia são uma das pautas mais urgentes a serem estruturadas. “Capacitar indivíduos e instituições para um melhor atendimento aos pacientes, em um país importador de tecnologias, reverter o quadro de mortalidade do câncer e solução para o alto custo de medicamentos”, acrescenta.

“Divisor de Águas: frente a uma crise, o que você faz? Você se apequena, você foge, ou você enfrenta e tenta crescer?” questionou o palestrante ao comentar sobre o ensaio clínico sobre Imunoterapia associada a pós Radioterapia para Câncer de Próstata. Sobre os desafios, ele comentou a relação dos transportes, infraestrutura, qualificação de equipe, espaço físico adequado, profissionais assistenciais capacitados, apoio das instituições, entre outros fatores.

Sobre o Centro de Pesquisa Clínica, o médico contou que o número de 170 estudos de pesquisa publicados caracteriza a região de Ijuí como o centro de maior número de pesquisas no Brasil em oncologia. “Atualmente vários outros centros do país visitam o HCI para compreender o modelo de protocolo trabalhado através de Capacitação da Sociedade Brasileira de Oncologia”.

“A motivação para continuar é poder retribuir para o país tudo isso que a pesquisa trouxe de bom para mim. Que vários outros centros de pesquisa possam ser formados e possamos transformar o Brasil em um celeiro de pesquisa e descobertas de coisas novas para a potencial melhora na vida das pessoas”. Esta foi a mensagem deixada por Fábio.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Unijuí

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido!