Busca rápidaX

Inseticida Fipronil é o responsável por morte de abelhas no interior de Ijuí

2 de fevereiro de 2019
Local onde houve morte de abelhas em Ijuí

Documento emitido, nesta Sexta Feira(01) pela inspetoria veterinária do Rio Grande do Sul, atestou a causa da morte de milhares de abelhas na propriedade do apicultor Rogério Manchini, em Rincão dos Brizzi, interior de Ijuí ocorrida, no início de Janeiro. Na época, mais de 80 colmeias inteiras de abelhas foram dizimadas, na propriedade do apicultor, gerando um prejuízo de mais de R$30mil.

O documento apresenta que as abelhas morreram sob intoxicação por FIPRONIL, inseticida utilizado no controle de pragas nas lavouras de soja na região. Também foram encontrados outros reagentes químicos no Favo do Mel com crias de abelhas. Nas demais amostras coletadas em todo o estado, onde ocorreram ocorrências com mortes de abelhas, houve localização de seis tipos de agroquímicos. 

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Ijuí, Ércio Eickhoff, este problema é pontual, e ocorreu em apenas alguns pontos do interior de Ijuí. Em contato com a reportagem, esclareceu que a produção de mel no município de Ijuí, este ano, é um dos maiores dos últimos tempos. Ércio Eickhoff salientou que os produtores devem seguir as especificações técnicas, para aplicação dos defensivos. “O que os produtores precisam saber é que existem horários corretos para a aplicação dos defensivos. Outra situação a ser observada é a velocidade do vento. Seguindo todas as especificações técnicas, ninguém terá problema e nenhuma cultura será prejudicada” disse o presidente.

Compartilhar
  • 19K
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    19K
    Shares
Fonte: Rádio Progresso de Ijuí

7 respostas para “Inseticida Fipronil é o responsável por morte de abelhas no interior de Ijuí”

  1. Armando disse:

    Segundo o presidente do sindicato ruralista … Aãh! E porque o autor da matéria não foi ouvir a opinião do apicultor prejudicado ou representante da associação de apicultores da região? Pimenta no dos outros é refresco se as abelhas estivessem prejudicando a soja eles já estariam de armas na mão.

    • Mateus Heck disse:

      Prezado Armando.

      Tanto o produtor, quanto o presidente da associação, deram entrevistas ao vivo na rádio e além disso, se o Sr. procurar em nosso portal, verá outras matérias relativas ao assunto.

      Um abraço!

  2. Neimar Gutbier disse:

    Olá, fiquei em dúvida se morreu as oitenta colmeias, ou oito que é dízima de oitenta.

    Mas de qualquer forma isso é um problema sério, e tem que haver uma conscientização tanto de apicultores como dos agricultores, pois os dois sofrem um dano direto com a morte e ou diminuição dos polinizadores.

  3. Jair Madeira disse:

    O problema foi pontual… o uso de agrotóxicos é legal, está cada vez mais liberado no país Tupiniquim, campeão mundial de consumo destes “defensivos”… que Deus tenha piedade de nós!!!

  4. Importante matéria, pois pela primeira vez temos a apuração e divulgação a partir de denuncias. Em outros anos, apesar de haverem muitas denuncias, estas não eram formalizadas, seja como B.O. à policia civil ou Brigada Militar – BAPATRAM, ou ainda ao Ministério Público.
    Existe ainda muito medo por parte dos denunciantes, pois geralmente quem faz a aplicação de agrotóxicos é vizinho ou até mesmo, familiar. Um recente trabalho, da equipe do Laboratório de Análise de Pesticidas (LARP*) da UFSM, mostrou que TODAS as amostras de polen e abelhas coletadas em diversas regiões no RS estavam contaminadas com agrotóxicos, do mesmo modo, as amostras de água potável fornecida pela CORSAN (cerca de 260 municipios) tinham agrotóxicos, em especial o DDT, proibido no Brasil, desde 2009. Embora a maioria das amostras apresentasse niveia abaixo do LMP (limite máximo permitido) esses produtos químicos são “persistentes” ou seja, não degradam e se tornam “inócuos”, pelo contrario, eles se acumulam , no corpo dos animais e dos humanos, também, desencadeando muitos problemas de saude, incluindo essa mortandade de abelhas ou até mesmo cancer, no caso de humanos.
    *LARP foi o responsavel pela detecção do 2,4D nos cultivos de videiras e oliveiras na região do Pampa, recentemente divulgado.
    Gostaria de salientar que, essa mortandade de abelhas ou contaminação de videira é somente a “ponta do iceberg”, que só está aparecendo agora, de forma mais enfática, é porque grandes produtores foram afetados e tiveram ou terão grande prejuizo econômico. Aqui na região, em outros anos, tivemos também contaminação de videiras (Colônia Santo Antonio, por exemplo), e morte de abelhas, e a cada ano, o número de doentes por cancer aumenta muito….
    São muitas coisas implicadas, de modo que, para finalizar, alerto que o nosso mel, assim como a nossa soja, já estão sendo rejeitados por mercados externos, ja tivemos cerealistas decretando falencia porque foram encontrados pesticidas (vários) muito acima do permitido em seus gráos, de modo que todo o produto teve que ser incinerado….e infelizmente, poucos casos são apurados, justamente por falta de denuncia formal e medo de faze-las….
    Na região, temos um grupo de trabalhos sobre impactos dos agrotóxicos, com participação de representantes diversas instituições. Para contatos, nosso email é [email protected]

  5. Carmen disse:

    É um problema mundial chamado síndrome do colapso da colméia, nos USA milhoes de abelhas morreram, na Europa também, a diferença é que na Europa já acordaram e estão parando de plantar teansgênicos, mas e aqui? Aqui liberaram o uso de mais pesticidas ainda!!! Estamos lascados.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido !!!