Busca rápidaX

Municípios da região sofrem com a estiagem

5 de março de 2020

A estiagem que afeta o Rio Grande do Sul deve acarretar quebras em diversos setores da agricultura. Em virtude disso, diversos municípios da região discutem a declaração da situação de emergência.

Em Jóia a comissão analisa um possível caso de dano humano devido a estiagem para decretar situação de emergência, visto que o primeiro decreto enviado ao governo do estado não foi homologado. O sindicato rural do município promove na segunda-feira (09) uma reunião com produtores rurais e empresa do agronegócio para discutir as perdas na agricultura. Estará presente o coordenador do núcleo da Aprosoja de Tupanciretã, José Domingos Lemos Teixeira que dará orientações aos agricultores.

Já em Coronel Barros, a administração esteve reunida com a Emater e secretarias municipais, a fim de discutir os danos da estiagem. Até ontem, os dados atualizados apontam para prejuízos estimados em 26 milhões de reais em Coronel Barros. Somente na cultura da soja a perda na produção é de 50%. Na cadeia leiteira a quebra é de 35%, milho silagem 35% e milho grão em 12%. Por conta do grande impacto, a Prefeitura, em parceria com a Emater, trabalha na organização da documentação necessária para decretar emergência no município. Os dados serão encaminhados até sexta-feira ao governo do estado para análise. Já a Secretaria de Saúde providencia campanhas junto à população para o uso racional da água. A pasta da Agricultura atua na abertura de bebedouros no interior do município e a secretaria de Obras concentra as atividades na zona urbana e rural.

Situação parecida com a vivida pela cidade de Augusto Pestana. Uma reunião entre Prefeitura, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Emater, Conselho Agropecuário, entidades financeiras e representantes técnicos de empresas da área agrícola levantou dados para embasar um possível decreto de emergência no município. A projeção das entidades é de uma quebra de 50% na agricultura em relação ao último período. Além disso, no município, são contabilizadas perdas na produção leiteira, principal atividade agrícola daquela região. Ficou definido que o Poder Executivo vai aguardar até a próxima segunda-feira para analisar a previsão do tempo e então concretizar o decreto de emergência.

Em Boa Vista do Cadeado a Emater ficou responsável por elaborar um novo laudo técnico para avaliar os danos causados pela falta de chuva. Serão abertos na cidade dois novos poços artesianos, um na localidade de Esquina Bronzato, outro na Comunidade São Paulo. Na próxima terça-feira, a partir das 14h, acontece mais uma reunião, desta vez com a participação de integrantes da Defesa Civil do Estado. A Prefeitura não descarta a possibilidade de nos próximos dias iniciar o racionamento de água na área urbana do município.

Em Ajuricaba autoridades também se reuniram a fim de discutir a situação da seca. Há uma quebra de 30% na cultura da soja. Em pontos específicos, agricultores chegaram a registrar 80% de redução de produtividade em relação à última safra. Há também o registro de diminuição da produção leiteira, reflexo da quebra na produção de milho silagem. Essa situação também acarreta em aumento de custos para os produtores de leite que precisam passar a investir em ração. No cultivo de peixes, atividade principal no município não há registro de perdas significativas ou de mortes de animais. No entanto, ficou definido em reunião que o município de Ajuricaba não vai decretar situação de emergência nesse momento.

Em Cruz Alta foi decretada situação de emergência nesta semana. A decisão foi tomada a partir de levantamentos do Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário, EMATER/RS e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural, Pesca, Abastecimento e Meio Ambiente. Os dados apontam que a pouca chuva têm causado perdas na produtividade das lavouras de soja e milho, na produção de leite e na produção de subsistência nas pequenas propriedades, afetadas em níveis significativos.

Fortaleza dos Valos decretou situação de emergência ainda no mês de janeiro. Em Quinze de novembro o decreto também foi publicado no início do ano. Conforme a administração municipal a maior preocupação é com o nível da barragem, que baixou 10 metros. Na localidade de Passo do Lagoão a água secou e as antigas construções da comunidade, alagada em 1970 com a instalação da Hidrelétrica do Passo Real, em Salto do Jacuí, estão à mostra.

Em Santiago, a prefeitura decretou situação de emergência devido os prejuízos na zona rural causados pela estiagem. Foi criada uma comissão para auxiliar produtores rurais a amenizarem os efeitos da falta de chuva. As ações emergenciais serão direcionadas a produtores familiares que possuam até 35 hectares.

Amanhã, sexta-feira, durante a Expodireto Cotrijal, autoridades estaduais se reúnem para discutir a situação de estiagem e perdas na agricultura no Rio Grande do Sul.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Rádio Progresso de Ijuí
error: Conteúdo protegido!