Busca rápidaX

Outra barragem da Vale tem alerta de risco elevado para ruptura iminente

23 de março de 2019

A Vale aumentou o nível de risco de uma barragem de rejeitos na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (a 100 quilômetros de Belo Horizonte), nesta sexta-feira. A estrutura foi colocada em nível 3, que significa de ruptura iminente ou já ocorrendo. A alteração foi comunicada às autoridades na tarde de sexta, depois que uma empresa contratada pela mineradora para fazer auditoria independente informou da condição crítica de estabilidade da estrutura.

_ Esse risco de rompimento é real, uma vez que a empresa atestou isso para a Vale e a Vale informou à Defesa Civil _ afirma o tenente coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas Gerais.

O alerta ocorre dois meses depois do rompimento da Barragem da Vale em Brumadinho, onde mais de 250 pessoas morreram.

Por volta das 21h30min, foram acionadas sirenes de alerta na região da chamada zona de autossalvamento (ZAS), a primeira a ser atingida em caso de rompimento. A população que vive abaixo da barragem já foi removida do local no dia 8 de fevereiro, depois que a estabilidade da estrutura não pôde ser atestada.

Segundo a Defesa Civil, a preocupação é com as pessoas que estão na chamada zona secundária, a cerca de 10 km ou 30 minutos de chegada da lama. A estimativa é que haja 3.000 residências na área, onde as pessoas terão de ser treinadas para onde se deslocar em caso de ruptura.

Sete viaturas do Batalhão de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais foram enviadas ao município e ficarão de prontidão, caso ocorra alguma alteração na situação, e as pessoas tenham que ser removidas. A medida é para garantir que os policiais possam retirar os moradores de forma organizada e sem pânico.

_ Se essa lama chegar ao centro de Cocais, tem potencial de inundação, de danos, de colapso de residência, precisamos fazer esse treinamento de forma consciente _ afirma o tenente coronel.

Segundo um estudo de impacto, o rompimento da barragem poderia gerar uma avalanche de rejeitos que alcançaria uma distância de 11 km, causando destruição na zona rural da cidade.

Por meio de nota, a Vale disse que “continua adotando uma série de medidas preventivas para aumentar a condição de segurança de suas barragens”. Ela lembra que a estrutura em Cocais é uma das dez barragens a montante inativas remanescentes, que faz parte do plano de descaracterização anunciado pela empresa.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: diariosm.com.br

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido !!!