Busca rápidaX

MANCHETES

Produção mínima de soja em Ijuí chega a 12 sacas devido à estiagem e prefeitura avalia decreto de emergência

6 de março de 2020
Propriedade de Clayton Ceolin, Tupanciretã.

O município de Ijuí realiza levantamento a fim de identificar os prejuízos causados pela estiagem. Ontem, o prefeito, Valdir Heck, conversou com a gerente do escritório local da Emater, Roseli Correa, para avaliar o quadro.

Hoje a Emater deverá divulgar relatório sobre perdas na área agrícola, especialmente na soja, milho e área leiteira. Com esses dados, segundo Valdir Heck, o Executivo ijuiense vai decidir por decretar ou não situação de emergência. Porém, Valdir Heck ressalta que a quebra na agricultura já é visível em razão da falta de chuva. 

No interior, a prefeitura está com duas a três retroescavadeiras na abertura de bebedouros para disponibilizar água aos animais. Na região sul de Ijuí, por exemplo, distrito de Alto da União, há poços artesianos que com nível de água muito baixo.

Segundo a Emater, a soja tem perda média de 30 a 40% em Ijuí. A maior quebra é registrada na região sul do município, onde houve menos chuvas. Conforme o extensionista, Edewin Bernich, no distrito de Barreiro existem lavouras em que o rendimento da soja está entre 12 a 15 sacas por hectare, conforme esse início de colheita.

Já na região Norte de Ijuí, por exemplo, no distrito de Mauá, as primeiras lavouras colhidas registram produtividade média de 55 sacas por hectare. Em razão dessa quebra na produção, o escritório local da Emater já recebeu 12 pedidos de Proagro.

A colheita da soja em Ijuí está entre 1 e 2%. Edewin Bernich frisa que de 20 a 30% da soja está em maturação e do restante, grande parte em enchimento de grãos, justamente fase que precisa de muita água.

Por isso, o Técnico Agrícola explica que é difícil avaliar, exatamente, a perda na soja, pois o problema aumenta dia a dia com a falta de chuva. Além de grãos menores, a estiagem está provocando debulha das vagens de soja em Ijuí.

No tocante ao milho de segunda safra, Bernich destaca que parte da cultura começa a emitir floração, fase mais avançada para o momento. Se a previsão do tempo se concretizar, ou seja, com onda de calor e falta de chuva para os próximos dias, a quebra no milho vai ser muito grande.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Rádio Progresso de Ijuí

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido!