Busca rápidaX

Champs Elysees

Sindilat e Sarle/UPF preparam projeto de monitoramento de leite cru na plataforma

25 de setembro de 2018

Na tentativa de aprimorar cada vez mais o monitoramento do leite gaúcho, o Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat) e o Sarle/UPF estão alinhando um projeto piloto para diagnosticar os gargalos existentes atualmente no Estado. A proposta, que está em fase de implementação, deve permitir a testagem do leite cru por meio das chamadas CPPs (Contagem Padrão em Placas) nos silos onde são armazenados o leite tanto nas plataformas industriais quanto nos entrepostos de associados do Sindilat.

O projeto foi apresentado na tarde desta terça-feira (25/9) durante reunião de associados pela responsável técnica do Sarle Joseane Bressiani (foto). Ela relatou dados preliminares coletados em empresas nos últimos dias de setembro e que já demonstram as potencialidades das novas testagens. Segundo ela, a ideia é conhecer a fundo a realidade dos níveis de CPP do leite gaúcho posto na plataforma. Hoje, os indexadores referem-se apenas às propriedades de forma individual. Os padrões de CPP são um dos pontos polêmicos trazidos na revisão da IN 62 e de difícil implementação imediata pela indústria uma vez que estabelece limite de 900 UFC/ml.

Segundo o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, a ideia é apenas buscar dados, que serão sigilosos e repassados apenas às empresas participantes do projeto, para embasar correção de processos produtivos. Palharini informa que mais empresas já manifestaram interesse em participar. ”Queremos coletar dados sob uma metodologia única que forneça ao setor informações consistentes para poder contrapor exigências e normativas”, pontuou o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra.

O serviço de testagem será realizado pela UPF e custeado pelo Sindilat, sem ônus às empresas participantes. “É um serviço profundo com embasamento científico em laboratório oficial”, completou a consultora em qualidade do Sindilat, Letícia Vieira.

Frete – Durante a reunião, os associados ainda debateram a implementação da nova tabela do frete. Palharini explicou que o Sindilat está avaliando com sua assessoria jurídica as fragilidades da legislação pois entende-se que ela não se aplica ao setor lácteo. Uma das inconformidades, pontua o executivo, é que ela prevê níveis de depreciação diferentes para cada tipo de caminhão, o que exigiria uma tabela distinta para cada modelo de veículo. “O mercado está muito nebuloso. Estamos conversando com outros setores industriais e, majoritariamente, as entidades entendem que a lei é inconstitucional e essa tabela não tem aplicabilidade”.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Sindilat

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acompanhe nas Redes

by @TwitterDev
error: Conteúdo protegido !!!