Busca rápidaX

MANCHETES

Tráfico de drogas cresce 152% em 10 anos no RS, diz Secretaria da Segurança Pública

4 de julho de 2017
O tráfico de drogas foi o crime que teve o maior aumento nos últimos 10 anos no Rio Grande do Sul, um crescimento de 152%, passando de 3.477 ocorrências em 2007 para 8.764 no ano passado. Os dados foram solicitados pela RBS TV e divulgados pela Secretaria da Segurança Pública do estado.

De acordo com o levantamento, esse não foi o único crime que aumentou. O homicídio doloso, quando há intenção de matar, cresceu 62,5%, passando de 1.604 casos em 2007 para 2.608 em 2016. Nos primeiros três meses deste ano, 800 pessoas foram assassinadas no Rio Grande do Sul.
Na contramão, as ocorrências de furto diminuíram 28,9%. Foram 222.185 registros em 2007, ante 157.919 no ano passado. No primeiro trimestre de 2017, 37.198 casos de furto foram informados à Polícia Civil estadual.

Em Porto Alegre, o tráfico de drogas aumentou 69,2% entre 2007 e 2016. O crime de homicídio doloso também cresceu bastante: 58%. Já as ocorrências por posse de drogas tiveram uma queda expressiva. Dez anos atrás foram 2.018 casos registrados, enquanto no passado foram 706 ocorrências do mesmo crime.
Para o chefe da Polícia Civil do estado, delegado Emerson Wendt, depois que a lei deixou de punir os usuários de drogas a violência aumentou em todo o Rio Grande do Sul. "Houve aumento na ação de traficantes, que se tornaram mais bélicos, procuraram se armar mais, proteger seus territórios e avançar em relação aos territórios alheios", afirma.

Policiais com mais de 20 anos de atuação no combate a criminalidade avaliam que, nesse período de 10 anos, também houve mudança no comportamento dos criminosos. "Antes um traficante, se tivesse que matar, matava só o rival. Hoje eles matam toda a família do rival para tomar o ponto dele. Antes não se matava toda a família, não se esquartejava uma pessoa", relata o delegado João Cesar Nazário.

Membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e especialista no assunto, o professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Rodrigo Azevedo diz que falta uma política de segurança pública que não mude a cada novo governo estadual. "A mudança de governo não pode significar mudança total de enfoque para o enfrentamento da violência. Caso contrário, estaremos sempre começando do zero e não teremos condições de reverter o quadro a médio e longo prazo", salienta.

Já a socióloga Letícia Maria Schabbach, que participa de um grupo de pesquisa em violência da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), defende medidas preventivas para evitar que os jovens sejam aliciados pelos traficantes. "Nós temos que ganhar os jovens em relação ao tráfico. Atrair eles com outras atividades, que possibilite oportunidades maiores tanto de em relação a emprego e ocupação, como também participação social e politica desses jovens", destaca a professora.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
error: Conteúdo protegido!