Busca rápidaX

MANCHETES

Valor real da gasolina representa somente 30% do preço pago pelo consumidor

6 de maio de 2021

O preço médio dos combustíveis voltou a disparar em Ijuí no mês de abril. Levantamento da Receita Estadual aponta que o valor cobrado nas bombas chegou a R$ 5,78, o maior valor médio registrado em um período de dois anos. Em 30 dias de abril, o aumento foi de R$ 0,24 nos postos da cidade. A disparada de preços em abril se limitou a gasolina, já que os valores do diesel e do etanol se mantiveram estáveis, embora em patamares também bastante elevados. Em entrevista à Rádio Progresso hoje, o presidente do Sulpetro, sindicato que representa os postos de combustíveis do Estado, João Carlos Dal’Aqua, o dólar é o principal fator de elevação do preço da gasolina aos consumidores. No entanto, ele citou também fatores extras que não são divulgados, mas que também encarecem o produto.

“O custo real de produção da gasolina representa somente 30% do valor final que chega aos consumidores. Funciona assim: a Petrobrás produz a gasolina A, que é o produto puro vendido às distribuidoras e elas são responsáveis por fazer a adição do biocombustível. No caso da gasolina é o álcool anidro, que representa 27% do valor do preço final. A entressafra de produção desse álcool anidro, neste ano, também elevou os valores da gasolina no País, mas é algo que nem sempre é divulgado”, explicou Dal’Aqua.

Outro vilão do preço dos combustíveis, principalmente no Rio Grande do Sul, é a carga tributária. Em outros Estados, como Santa Catarina, a alíquota de ICMS sobre a gasolina, por exemplo, é de 25%. Enquanto isso, os consumidores gaúchos pagam uma taxa de 30%. Ainda conforme João Carlos Dal’Aqua, em oposição ao aumento de preços dos combustíveis as margens de lucro dos postos estão diminuindo.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Fonte: Rádio Progresso de Ijuí
error: Conteúdo protegido!